Prezados visitantes

Todo o conteúdo deste blog, tais como textos, fotos, vídeos e documentos, é salvo em DVD, razão pela qual estão numeradas as postagens.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

235- ANTIGOS BILHETES DE PASSAGEM DO TREM DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS E OUTRAS FERROVIAS

A volta ao passado de sonhos num bilhete de trem de passageiros

Nada mais nostálgico para se lembrar com saudade das viagens nos saudosos trens de passageiros do que os bilhetes de passagens nos mesmos. Olhando os bilhetes de passagem é como se nos reportássemos ao interior dos trens e vivêssemos novamente as aventuras, as histórias de vida, sobretudo, no meu caso, do Trem Noturno Rio Doce. Os bilhetes de passagem são, ao menos para mim, verdadeiros tuneis do tempo, portais para a época poética e gloriosa dos trens que marcaram época.

A seguir, abaixo, as antigas passagens do saudoso e tão querido trem de passageiros que marcou a minha vida e a minha época de infância e adolescência, no início dos anos de 1980.

Passagem de 1ª Classe Aimorés - MG à Colatina - ES
Nº 11026 Cz$ 280,00



Passagem de 1ª Classe Desembargador Drumond - MG à Itabira - MG
Nº 14383 Cz$ 700,00





Passagem de 1ª Classe Intendente Câmara, Ipatinga - MG à Aimorés - MG
Nº 16426 Cz$ 135,60




Passagem de 1ª Classe Intendente Câmara (Ipatinga - MG) à Fundão - ES
Nº 12738 Cz$ 170,00




Passagem 1ª Classe Resplendor - MG para Pedro Nolasco (Vitória - ES)
Nº 49634



Passagem de 2ª Classe Conselheiro Pena - MG à Governador Valadares - MG
Nº 53580



Passagem 2ª Classe Resplendor - MG para Pedro Nolasco (Vitória - ES)
Nº 46800




Passagem 2ª Classe Gov. Valadares - MG à Colatina - ES
Nº 41023


Passagem 2ª Classe Pedro Nolasco (Vitória - ES) à Gov. Valadares - MG
Nº 20323




TODAS AS FOTOS ACIMA, DE ACERVO DO SR. JOSÉ CARLOS, EX CHEFE-DE-TREM DA E. F. VITÓRIA A MINAS E PAI DO RUBENS RAMALHO, QUEM AS ENVIOU PARA ESTA POSTAGEM.


Abaixo, um bilhete de passagem, de acervo de Carlos Latuff, cartunista e fã ferroviário, editada em seu blog Ferrovias do Brasil.



Acervo histórico de Carlos Latuff

Este bilhete de passagem é dos tempos modernos, pós Rio Doce. Se não me falha a memória, assim que o Trem de passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas voltou a vir direto à Belo Horizonte - MG, em 1994, o bilhete de passagem ainda não era este, mas um anterior, intermediário entre os bilhetes do Trem Rio Doce e este acima. Lembro-me que este referido bilhete vinha escrito Carro 1ª Classe B-121, Govenador Valadares à Pedro Nolasco, por exemplo, com o nº da poltrona e do bilhete. Era mais parecido com os bilhetes do Trem Rio Doce do que com este acima.

É, realmente, uma pena, não se encontrar os bilhetes de passagem do Carro Poltrona-leito e Dormitório-cabine. Eu tenho uma dúvida em relação aos bilhetes de passagem dos Carros Dormitórios Poltrona-leito e Cabine, se eram bilhetes de passagem da RFFSA - SR2, porque tanto os carros, quanto o serviço eram da RFFSA, mas acredito que os bilhetes eram da EFVM de 1º classe, com carimbo escrito Poltrona-leito ou então, cabine. É um fato que, infelizmente, não me recordo, mas arrisco dizer que era de fato, a segunda opção.





BILHETES DE PASSAGEM DE OUTRAS FERROVIAS


Bilhete de passagem de trem Emitido em Araçatuba (SP) – 25.05.1972 - destino Aquidauana (MS) 1ªclasse– ida






Último bilhete emitido pela E. F. São Paulo e Minas
Acervo histórico de J. R. França, em seu blog Estrada de Ferro São Paulo e Minas





Foto de acervo histórico de Jair Toledo de Paiva, editada no blog Ferrovias do Brasil


O bilhete de passagem, como se vê nos detalhes, é da Rede Ferroviária Federal S. A - 6ª Divisão Central, de bitola tanto larga (1,60 m) quanto métrica (1,00 m). A cidade de Paiva - MG, fica na linha que liga a estação de Palmyra (Santos Dumont) a Oliveira Fortes e prolongada em 1910, quando alcançou a cidade de Mercês.





Passagem de 1ª Classe do Trem Mineirinho - Minduri - MG à Arantina - MG
Acervo histórico de José Dimas Teixeira, editado no site Clube Amantes da Ferrovia 


A antiga linha férrea de Lavras - MG à Barra Mansa - RJ, fora construída, originalmente, pela Estrada de Ferro Oeste de Minas, em bitola métrica (sendo a bitolinha de 76 cm somente de S.J. Del Rei a Tiradentes), posteriormente fazendo parte da Linha Tronco da Rede Mineira de Viação - RMV a partir de 1940.

Percurso dessa linha

Linha Tronco da EFOM / RMV - De Barra Mansa - RJ à Ribeirão Vermelho - MG

Origem da linha:
 
Barra Mansa-Falcão - 1897;

Falcão-Passa-Vinte - 1903;

Passa-Vinte - Carrancas - 1915;

Carrancas - Lavras - 1903;

Lavras - Ribeirão Vermelho - 1895.





234- HISTÓRIA DA RFFSA - PARTE 1 e PARTE 2





video
História da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima - Parte 1
Vídeo de autoria e acervo de CIRCUITO FERROVIÁRIO VALE VERDE, editado em seu canal do YouTube






video
História da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima - Parte 2
Vídeo de autoria e acervo de CIRCUITO FERROVIÁRIO VALE VERDE, editado em seu canal do YouTube






O ÚLTIMO TREM - PONTA DE AREIA (MILTON NASCIMENTO)

"Chora ó meu povo, chora ó meu maquinista
Quem leva os trilhos, mata um pouco a sua vida
Pois o fim da linha, é um pulo no vazio

Apaga a brasa, vem pra casa meu foguista
Esquece a lenha, a caldeira e a fumaça
Que a estrada é morta, por ela nada mais passa

Nunca mais menino, nunca mais meu povo aflito
Nunca mais a gente vai ouvir o seu apito
Nunca mais a gente vai sentir o seu gemido

Chora ó meu povo, que esse trem não deixa rastro
Os trilhos arranca, nos lugares onde passa
Para onde vai, leva a nossa linha
O trem derradeiro é carretel que faz novelo
Os trilhos recolhe para o nosso desespero
O último trem faz chorar o povo
Leva nossa linha, mura nossa vida
Leva a alegria

Ponta de Areia, ponto final
Da Bahia a Minas, estrada natural
Que ligava Minas, ao porto, ao mar
Caminhos de ferro, mandaram arrancar

Velho maquinista, com seu boné
lembra o povo alegre que vinha cortejar
Maria Fumaça, não canta mais
Para moças, flores, janelas e quinais

Na praça vazia, um grito, um ai
Casas esquecidas, viúvas nos portais"




FRANCAMENTE, eu não preciso dizer mais uma só palavra, absolutamente mais nada, pois a belíssima canção do Milton Nascimento já diz tudo, falando da nostalgia e a dor da saudade que o trem deixou nos corações daqueles que realmente o conheceram e realmente o amaram. Eu venho falando sobre isso exaustivamente aqui no blog, de como a ferrovia e os trens de passageiros são extremamente importantes não só como meio de transporte populacional eficaz, sustentável, mas principalmente culturalmente falando, da memória histórica das cidades por onde passou, movimentando a economia das cidades beira-linha.

Assistam ao vídeo abaixo, com essa música na belíssima voz do Quarteto em Cy.

video
Vídeo de acervo de Gustavscs, editado em seu canal do YouTube